Compartilhe:Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone
Olavo de Carvalho, O Jardim das Aflições, É Realizações, 2ª edição, página 248, nota 194 :
Madame Blavatski, ao reproduzir trechos de um clássico tibetano que lera em tradução alemã, preferiu dizer tê-los encontrado na cópia única, guardada a sete chaves num mosteiro subterrâneo do Oriente.
Olavo de Carvalho, O Jardim das Aflições, É Realizações, 2ª edição, página 219, nota 157 :
As antigas tradições e mitologias estão repletas de histórias de magos, sacerdotes e profetas que nomeiam reis e depois sofrem as maiores ingratidões de seus protegidos. A coisa parece ser uma constante da história humana. Segundo René Guénon, é mesmo.
Olavo de Carvalho, O Jardim das Aflições, É Realizações, 2ª edição, página 197, nota 139 :
O cristianismo salva o mundo antigo, absorvendo-o num novo quadro, mas, para isso, tem de se deixar absorver nele e transformar-se, mediante adaptações bastante deformantes, numa nova Lei exterior, na religião do Império.
Olavo de Carvalho, O Jardim das Aflições, É Realizações, 2ª edição, página 134, nota 93 :
Sobre a Tríade chinesa: Yang, Yin e Tao. Um livro após o qual o que quer que se diga do assunto corre o grave risco de chover no molhado;
Olavo de Carvalho, A Dialética Simbólica: Estudo Reunidos, É Realizações, 1ª edição, página 158, nota 2 :
Sobre o "triplo tempo".
Olavo de Carvalho, COF 131 - 01:20:30 :
Para estudar o simbolismo natural. Deve se ter cuidado com a idéia esotérica da exposição;
Luiz Gonzaga de Carvalho, Entrevista para o GR - parte 2, 00:26:30 :
Para iniciar os estudos de simbolismo; serve, principalmente, para familiarizar-se com assunto.
Luiz Gonzaga de Carvalho, Religiões do Mundo - Módulo I - aula 04 - arquivo 07 :
Para aprofundar o conhecimento em hinduísmo. Muita clareza filosófica ao expressar o fundamento das doutrinas hindus.
José Monir Nasser, Expedições Pelo Mundo da Cultura :
“O Reino da Quantidade e os Sinais dos Tempos”, certamente um dos mais importantes livros escritos no século XX, foi publicado em 1945, com o objetivo de explicar à Europa destroçada pela guerra que, sob as aparentes anormalidades que a afligiam, havia desvios espirituais muito maiores, associados ao fim de um ciclo cósmico, ou de um manvantara, na terminologia hindu.
Olavo de Carvalho, True OutSpeak 18/12/2006 00:52:50 :
Sobre a invasão vertical dos bárbaros;
José Monir Nasser, Expedições Pelo Mundo da Cultura :
O milagre intelectual mais deslumbrante de nossa época.