Entrevista com Luiz Gonzaga de Carvalho – parte 2 de 2

Compartilhe:Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone



Segunda parte da aula-entrevista com o professor Luiz Gonzaga de Carvalho Neto. O professor explica as dificuldades do estudante brasileiro nos estudos sobre simbolismo e dá recomendações de leitura.

Gostou? Desça a página e deixe um comentário!



Livros recomendados

Olavo de Carvalho, COF 28 - 02:08:00 :
Livro clássico sobre a relação entre imaginação e simbolismo;
Olavo de Carvalho, COF 198 - 01:31:00 :
O autor é muito respeitável, mas esse pessoal da equipe de religiões da universidade de Paris tem o costume de querer fazer uma ciência dos conhecimentos mais ambiciosos da humanidade; a pergunta a se fazer é: em que medida essa nova ciência pode abranger e transfigurar todo esse conjunto de conhecimentos? Será que é mesmo possível uma ciência do esoterismo, que, por definição, deveria saber mais do que o próprio esoterismo?
Luiz Gonzaga de Carvalho, Entrevista para o GR - parte 2, 00:23:00 :
Para iniciar os estudos de simbolismo; ataca algumas dificuldades iniciais dos estudos de simbolismo: o que é simbolismo, diferenças entre termos, qual o lugar que o simbolismo ocupa no modo de expressar as coisas, também faz algumas especulações sobre a perda do senso simbólico;
Olavo de Carvalho, COF 131 - 01:20:30 :
Para estudar o simbolismo natural. Deve se ter cuidado com a idéia esotérica da exposição;
Luiz Gonzaga de Carvalho, Entrevista para o GR - parte 2, 00:26:30 :
Para iniciar os estudos de simbolismo; serve, principalmente, para familiarizar-se com assunto.
Marcadores:Tags:

4 Comentários

  1. franklin

    Nós também podemos rastrear a historicidade das idéias numa ficção; Qual é o passado histórico da classificação (extraordinário e ordinário) de Raskólnikov?

    Alguns anos atrás, da época desse conto, havia intelectuais empenhados em proclamar que a sociedade deveria ser administrada por uma elite intelectual, em nome do progresso e da justiça, ao invés de ser guiada pela tradição; Se porventura empregassem a força estariam justificados, pois visavam um bem maior – o progresso da civilização.

Deixe um comentário