Compartilhe:Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone
Olavo de Carvalho, O Jardim das Aflições, É Realizações, 2ª edição, página 260, nota 216 :
As aventuras aparentemente caóticas de Tamino e Pamina em A Flauta Mágica de Mozart revelam no fim ser a consecução de um plano concebido pelo sumo-sacerdote Sarastro para levar o casal de noivos à iniciação maçônica que lhes dará o poder e a felicidade.
Olavo de Carvalho, O Jardim das Aflições, É Realizações, 2ª edição, página 264, nota 220 :
Dá uma idéia da atmosfera reinante nos círculos socialistas-ocultistas russos no fim do século passado.
Olavo de Carvalho, O Jardim das Aflições, É Realizações, 2ª edição, página 264, nota 220 :
Dá uma idéia da atmosfera reinante nos círculos socialistas-ocultistas russos no fim do século passado.
Olavo de Carvalho, O Jardim das Aflições, É Realizações, 2ª edição, página 268, nota 227 :
As distinções econômicas não bastam sequer para definir uma classe no sentido marxista. E, se recorrermos a distinções mais complexas e sutis, acabaremos fatalmente recolocando na linha das preocupações sociológicas a velha teoria das castas. Um estudo infelizmente limitado ao sistema hindu, mas suficiente para sugerir a subsistência real de diferenças hierárquicas de tipo casta na sociedade Ocidental moderna.
Olavo de Carvalho, O Jardim das Aflições, É Realizações, 2ª edição, página 281, nota 244 :
A complicação crescente do sistema internacional ultrapassou as fronteiras do humanamente compreensível e se tornou l’économie du diable.
Olavo de Carvalho, O Jardim das Aflições, É Realizações, 2ª edição, página 283, nota 247 :
O caráter essencialmente gnóstico dos movimentos que culminam na New Age do século XX foi afirmado em 1994 pelo próprio Papa João Paulo II.
Olavo de Carvalho, O Jardim das Aflições, É Realizações, 2ª edição, página 284, nota 248 :
Apresenta uma visão de conjunto das obras de diversos autores que enfocam as ideologias contemporâneas como “teologias civis”, no sentido de Sto. Agostinho.
Olavo de Carvalho, O Jardim das Aflições, É Realizações, 2ª edição, página 248, nota 194 :
Madame Blavatski, ao reproduzir trechos de um clássico tibetano que lera em tradução alemã, preferiu dizer tê-los encontrado na cópia única, guardada a sete chaves num mosteiro subterrâneo do Oriente.
Olavo de Carvalho, O Jardim das Aflições, É Realizações, 2ª edição, página 212, nota 145 :
Demasiado distante de Bizâncio para poder desfrutar da proteção imperial contra os bárbaros, demasiado sujeita à autoridade bizantina para poder recusar-lhe o pagamento de pesados impostos, a Igreja de Roma, por volta do século VIII, começa a sonhar com uma transferência do Império para o Ocidente