Compartilhe:Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone
Olavo de Carvalho, O Jardim das Aflições, É Realizações, 2ª edição, página 249, nota 197 :
Um autor de nome Ernest Scott, porta-voz - talvez pseudônimo - da organização de Omar Ali Shah, chega a declarar expressamente que essa e outras entidades “esotéricas” gostam de “apoderar-se das mentes” de intelectuais e envolvê-los em situações persecutórias que os levarão ao desespero196. Ele cita em particular o caso de John Fowles, cujos enredos francamente paranóicos, The Collector e The Magus197 foram inspirados nesse tipo de experiências. Fowles não desmentiu. Suponho que coisas análogas poderiam dizer-se de Stephen King e Colin Wilson, provavelmente também de Doris Lessing.
Olavo de Carvalho, O Jardim das Aflições, É Realizações, 2ª edição, página 260, nota 216 :
As aventuras aparentemente caóticas de Tamino e Pamina em A Flauta Mágica de Mozart revelam no fim ser a consecução de um plano concebido pelo sumo-sacerdote Sarastro para levar o casal de noivos à iniciação maçônica que lhes dará o poder e a felicidade.
Olavo de Carvalho, O Jardim das Aflições, É Realizações, 2ª edição, página 264, nota 220 :
Dá uma idéia da atmosfera reinante nos círculos socialistas-ocultistas russos no fim do século passado.
Olavo de Carvalho, O Jardim das Aflições, É Realizações, 2ª edição, página 264, nota 220 :
Dá uma idéia da atmosfera reinante nos círculos socialistas-ocultistas russos no fim do século passado.
Olavo de Carvalho, O Jardim das Aflições, É Realizações, 2ª edição, página 268, nota 227 :
As distinções econômicas não bastam sequer para definir uma classe no sentido marxista. E, se recorrermos a distinções mais complexas e sutis, acabaremos fatalmente recolocando na linha das preocupações sociológicas a velha teoria das castas. Um estudo infelizmente limitado ao sistema hindu, mas suficiente para sugerir a subsistência real de diferenças hierárquicas de tipo casta na sociedade Ocidental moderna.
Olavo de Carvalho, O Jardim das Aflições, É Realizações, 2ª edição, página 281, nota 244 :
A complicação crescente do sistema internacional ultrapassou as fronteiras do humanamente compreensível e se tornou l’économie du diable.
Olavo de Carvalho, O Jardim das Aflições, É Realizações, 2ª edição, página 283, nota 247 :
O caráter essencialmente gnóstico dos movimentos que culminam na New Age do século XX foi afirmado em 1994 pelo próprio Papa João Paulo II.
Olavo de Carvalho, O Jardim das Aflições, É Realizações, 2ª edição, página 284, nota 248 :
Apresenta uma visão de conjunto das obras de diversos autores que enfocam as ideologias contemporâneas como “teologias civis”, no sentido de Sto. Agostinho.
Olavo de Carvalho, O Jardim das Aflições, É Realizações, 2ª edição, página 245, nota 187 :
Auto foi diretor da CIA por décadas; reconhece muito pertinentemente a diferença abissal de escala que separa os modernos serviços secretos de tudo o que até o século XIX se conhecia como “espionagem”. De um lado, os serviços de “inteligência” ultrapassaram muito o campo das informações militares para abranger toda a vida social e psicológica das nações, penetrando até mesmo na intimidade dos costumes familiares, da vida sexual etc. - invadindo ostensivamente a esfera dita “privada”.