Compartilhe:Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone
Rodrigo Gurgel, "A glamourização da barbárie" :
Num dos capítulos Dalrymple fala sobre a "terrível fatalidade que pode recair sobre um ser humano: nascer inteligente e com sensibilidade em um bairro pobre inglês". Segundo Dalrymple, "é como uma tortura requintada, longa e vagarosa, imaginada por uma divindade sádica de cujas maldosas garras é quase impossível fugir". Vivendo nessas comunidades e atendendo, como médico, os moradores locais, Dalrymple constatou o que assisti no vídeo do YouTube — e o que estamos cansados de ver nas escolas contemporâneas: "Os professores de hoje, impregnados da idéia de que é errado ordenar hierarquicamente civilizações, culturas ou modos de vida, negam o valor de uma civilização superior e são incapazes de transmiti-lo. Para eles não há altura ou profundeza, superioridade ou inferioridade, profundidade ou superficialidade: há somente diferença. Duvidam até mesmo de que exista um modo correto e um modo errado de grafar uma palavra ou construir uma frase".
Rodrigo Gurgel, "12 poemas para a vida inteira" :
Poemas para a vida inteira. A luta diária do escritor, de todo artista, sintetizada de forma genial.
Rodrigo Gurgel, "12 poemas para a vida inteira" :
Poemas para a vida inteira. Há uma didática para mostrar a Verdade.
Título: Os homens ocos
Autor:
Rodrigo Gurgel, "12 poemas para a vida inteira" :
Poemas para a vida inteira. Numa terra morta, homens vazios caminham em busca de esperança.
Título: Rumo a Bizâncio
Autor:
Rodrigo Gurgel, "12 poemas para a vida inteira" :
Poemas para a vida inteira. Perdido numa geração relativista, o poeta anseia pela verdade eterna.
Título: Endymion
Autor:
Rodrigo Gurgel, "Como o escritor deve ler?" :
Há várias formas de leitura. Lemos para passar o tempo, para escapar de nós mesmos, para nos afastar de preocupações e angústias. Ou, ao contrário, para nos aproximar ainda mais do que somos ou desejamos ser. Num dia em que as idéias estão emperradas, o início do “Endymion”, de John Keats, produz, para mim, o mesmo efeito de uma viagem ensolarada.
Olavo de Carvalho, O Jardim das Aflições, É Realizações, 2ª edição, página 287, nota 250 :
A KGB tinha nos militantes comunistas, e não nos agentes efetivos, a sua principal força.
Título: Imperialism
Autor:
Olavo de Carvalho, O Jardim das Aflições, É Realizações, 2ª edição, página 285, nota 249 :
Sobre a contradição entre imperialismo e capitalismo democrático.
Olavo de Carvalho, O Jardim das Aflições, É Realizações, 2ª edição, página 248, nota 196 :
Um dos mais deprimentes capítulos dessa epopéia tragicômica foi o destino de outro grande poeta inglês, Robert Graves, nas mãos do “gozador cósmico” Omar Ali Shah.
Olavo de Carvalho, O Jardim das Aflições, É Realizações, 2ª edição, página 249, nota 197 :
Um autor de nome Ernest Scott, porta-voz - talvez pseudônimo - da organização de Omar Ali Shah, chega a declarar expressamente que essa e outras entidades “esotéricas” gostam de “apoderar-se das mentes” de intelectuais e envolvê-los em situações persecutórias que os levarão ao desespero196. Ele cita em particular o caso de John Fowles, cujos enredos francamente paranóicos, The Collector e The Magus197 foram inspirados nesse tipo de experiências. Fowles não desmentiu. Suponho que coisas análogas poderiam dizer-se de Stephen King e Colin Wilson, provavelmente também de Doris Lessing.